Segurança Colaborativa: Um novo conceito que pode ser aliado dos condomínios.



Apesar de ser um direito da população, garantido por lei, a segurança das pessoas é motivo de preocupação diária. Os índices de criminalidade aumentam e a sensação de insegurança, muitas vezes, acaba tomando conta de nós, mesmo quando estamos em casa.


Considerando esse contexto, e, nessa altura que a segurança colaborativa se efetua tão essencial, pois ajuda a aumentar a segurança das pessoas e ainda contribui com as ações governamentais de proteção da população.

Neste artigo, vamos te mostrar o que é a segurança colaborativa e como funciona, na prática, e de que forma incentiva uma nova cultura de segurança nos condomínios.


O que é a Segurança Colaborativa?


A segurança colaborativa pode ser intendida como um conjunto de medidas que visam unir as pessoas em ações de vigilância e prevenção, de modo a reduzir os índices de criminalidade. Ou seja, ela envolve toda a sociedade para promover iniciativas que tornem ruas, bairros e cidades mais seguras para todos.

Também é possível, por meio da segurança colaborativa, tornar mais eficiente a comunicação entre os vários elementos que fazem parte da promoção da segurança. Isso significa, muitas vezes, aliar a segurança pública à privada, fornecendo mais ferramentas para a prevenção de diversos crimes.

Como funciona a Segurança Colaborativa?

Você pode estar se perguntando: tudo é muito lindo na teoria, mas como colocar tudo isso em prática?

Hoje em dia, são duas as principais formas disponíveis para colocar em prática a segurança colaborativa, ambas possíveis graças aos avanços tecnológicos do setor de segurança eletrônica. A primeira delas é o compartilhamento das imagens de monitoramento de residências, condomínios e empresas com as entidades responsáveis pela segurança da população.

Esse compartilhamento é feito com autorização de moradores e empresários responsáveis pelos locais onde há câmeras e se dá por meio do contato da empresa de segurança eletrônica responsável pela central de monitoramento de imagens e monitoramento de alarmes.

O que podemos concluir?

Aliado a toda infraestrutura tecnológica necessária, é preciso que haja protocolos rígidos de segurança que convivam em conjunto com uma cultura de prevenção, disseminada as pessoas. Para tal, é preciso haver um plano de comunicação bem assertivo, que ajude a promover a conscientização necessária entre toda a comunidade e a segurança colaborativa seja uma realidade.



52 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo